Merck

Anticorpos secundários

Tecido de granulação exuberante em equinos corado com anticorpo Anti-von Wille

Figura 1.Imunofluorescência. Tecido de granulação exuberante em equinos corado com anticorpo Anti-von Wille.

Os anticorpos secundários são anticorpos policlonais ou monoclonais que se ligam aos anticorpos primários ou fragmentos de anticorpos, como as regiões Fc ou Fab. Eles são tipicamente marcados com sondas que os tornam úteis para aplicações de detecção, purificação ou separação. 

Oferecemos anticorpos secundários de uma variedade de espécies hospedeiras. Os nossos anticorpos policlonais secundários são produzidos a partir do soro de animais hospedeiros, como camundongos, coelhos, cabras e ovelhas. Em contrapartida, os nossos anticorpos monoclonais secundários são produzidos a partir de clones de hibridoma de camundongo.

Você precisa de ajuda para encontrar o anticorpo certo para a sua aplicação?

Use a nossa ferramenta de busca Antibody Explorer para visualizar e comparar anticorpos por clonalidade, aplicação, reatividade da espécie, conjugado, espécie hospedeira e formato.


Produtos

Ordenar por relevância
Exibindo 1-20 de 1814
Página 1 de 91
Exibindo 1-20 de 1814
Comparar
Número do produto
Nome do produto
Descrição do produto
Preços
Página 1 de 91


Micrografias fluorescentes de células pulmonares mitóticas de salamandra Microtúbulos corados com anti-^ monoclonal

Figura 2.Micrografias fluorescentes de células pulmonares mitóticas de salamandra Microtúbulos corados com anti-^ monoclonal.

Aplicações dos anticorpos secundários

Os anticorpos secundários são usados em muitas aplicações, incluindo:

  • Imunopurificação
  • ELISA
  • Western blot
  • Imuno-histoquímica
  • Ensaios baseados em células
  • Citometria de fluxo
Corte congelado do nervo óptico de rato corado com antineurofilamento H de camundongo e CF568 anticamundongo de cabra (processos neuronais, vermelho), anti-GFAP de coelho e CF488A anticoelho de cabra, com alto índice de absorção cruzada (células da glia, verde). Os núcleos são corados com RedDot2 (ciano).

Figura 3.Imunocitoquímica. Corte congelado do nervo óptico de rato corado com antineurofilamento H de camundongo e CF568 anticamundongo de cabra (processos neuronais, vermelho), anti-GFAP de coelho e CF488A anticoelho de cabra, com alto índice de absorção cruzada (células da glia, verde). Os núcleos são corados com RedDot2 (ciano).

Sondas e anticorpos conjugados

Oferecemos um amplo portfólio de anticorpos conjugados. Um anticorpo conjugado é um anticorpo monoclonal ou policlonal ligado a um marcador e usado para detecção em diversas técnicas de ensaio. A utilidade específica de um anticorpo secundário depende de sua(s) sonda(s) conjugada(s). As sondas são moléculas que possibilitam várias tecnologias de detecção. Os sistemas de detecção mais comuns para anticorpos secundários conjugados são colorimétricos ou fluorescentes.

Os ensaios colorimétricos são tipicamente baseados no uso de fosfatase alcalina (FA) ou peroxidase de rábano (HRP), ou de seus derivados. O sistema de ligação do conjugado biotina-avidina (estreptavidina) é frequentemente usado para amplificar o sinal colorimétrico da FA ou HRP. Os ensaios fluorescentes mais comuns utilizam isotiocianato de fluoresceína (FITC), rodamina ou seu derivado, isotiocianato de tetrametilrodamina (TRITC), cianina (Cy3) ou ficoeritrina (R-PE).

Oferecemos anticorpos conjugados ligados a diversos marcadores colorimétricos e fluorescentes para uso em aplicações de detecção, purificação, separação e microscopia. Os anticorpos conjugados são produzidos em diversos animais hospedeiros, o que os torna compatíveis com uma ampla gama de reagentes imunoquímicos. Para aqueles usuários(as) cuja pesquisa requer a marcação de seus próprios reagentes, oferecemos kits de marcação com anticorpos para a conjugação de vários marcadores (marcadores de biotina, FITC, CF™) a anticorpos monoclonais e policlonais.

Proteínas A, G e L

A proteína A é derivada de Staphylococcus aureus. A proteína G é derivada de uma espécie de Streptococcus. Ambas têm sítios de ligação para a porção Fc da IgG de mamíferos. A afinidade dessas proteínas com a IgG varia dependendo da espécie animal. A proteína G tem maior afinidade com a IgG de rato, cabra, ovelha e bovina, bem como com a IgG1 de camundongo e a IgG3 humana. A proteína A tem maior afinidade com a IgG de gato e porco-da-índia (Tabela 1). Além dos sítios de ligação Fc da IgG, a proteína G nativa contém sítios de ligação para albumina, a região Fab das Igs, e regiões de ligação à membrana, o que pode causar coloração inespecífica. Esses problemas foram resolvidos criando formas recombinantes da proteína. A proteína G recombinante foi modificada para eliminar a região de ligação à albumina, e a proteína G′ recombinante é uma proteína truncada que não tem os sítios de ligação à albumina, Fab e membrana, mantendo o sítio de ligação Fc, o que a torna mais específica para a IgG do que a forma nativa.

Tabela mostrando as afinidades/capacidades de ligação para várias espécies da proteína A, proteína G e proteína L.

Tabela 1.Capacidades de ligação das proteínas A, G e L para diversas espécies.

A proteína L, de Peptostreptococcus magnus, tem afinidade com cadeias leves kappa (Tabela 2) de diversas espécies. Ela detecta IgG, IgA e IgM monoclonais ou policlonais, bem como fragmentos Fab, F(ab′)2 e Fv de cadeia única (scFv) recombinante que contêm cadeias leves kappa. Ela também se liga à IgG de galinha. Observação: Espécies como bovinos, caprinos, ovinos e equinos, cujas Igs contêm quase que exclusivamente cadeias lambda, fazem poucas ou nenhuma ligação com a proteína L.

Tabela mostrando as afinidades/capacidades de ligação a várias cadeias leves kappa da proteína L.

Tabela 2.Ligação da proteína L a diversas cadeias leves de imunoglobulinas.

Reagentes para detecção

As proteínas A e G são usadas como um reagente geral, não específico para determinadas espécies, para ligar anticorpos primários ou IgG de superfície em tecidos de mamíferos. A proteína G é recomendada para a maioria das espécies, incluindo camundongos e ratos. A proteína A é recomendada para gatos e porcos-da-índia. Nenhuma delas é recomendada para a detecção de IgA ou IgM, para a detecção de fragmentos Fab ou para a detecção de IgG de aves. Quando ligadas a uma resina como a agarose, a proteína A e a proteína G podem ser usadas para purificar por afinidade imunoglobulinas de soro ou líquido ascítico.

A proteína L é usada como um reagente geral para ligar anticorpos primários de mamíferos ou aves ou Igs de superfície de todas as classes. Ela é particularmente útil para a detecção de fragmentos Fab, F(ab')2 e fragmentos scFv recombinantes, para detecção de Igs ligadas a receptores de Fc, ou para a detecção de anticorpos monoclonais na presença de Igs bovinas. Seu uso é limitado à detecção de Igs com cadeias leves kappa.

Resinas

A proteína A e a proteína G têm sítios de ligação para a porção Fc da IgG de mamíferos. A capacidade de ligação dessas proteínas à IgG varia de acordo com a espécie. Em geral, as IgGs têm uma maior afinidade pela proteína G do que pela proteína A, e a proteína G pode se ligar à IgG de uma variedade maior de espécies. A afinidade de várias subclasses de IgG, especialmente de camundongos e humanos, pela proteína A varia mais do que pela proteína G. Dessa forma, a proteína A pode ser usada para preparar IgG isotipicamente pura de algumas espécies. A proteína L é adequada para isolar anticorpos monoclonais de camundongos de sobrenadantes de cultura celular, sem contaminação por IgG bovina.

Células HeLa coradas com anticorpo secundário antitubulina de camundongo e CF488A anticamundongo de cabra (microtúbulos, verde). Os filamentos de actina são corados com faloidina CF640R (roxo). Os núcleos são corados com corante de contraste DAPI (azul).

Figura 4.Corante CF™. Células HeLa coradas com anticorpo secundário antitubulina de camundongo e CF488A anticamundongo de cabra (microtúbulos, verde). Os filamentos de actina são corados com faloidina CF640R (roxo). Os núcleos são corados com corante de contraste DAPI (azul).

Anticorpos marcados com corante CF™

Os corantes CF™ são uma série de corantes fluorescentes altamente hidrossolúveis que abrangem o espectro visível e do infravermelho próximo (IV próximo) para marcação de anticorpos. Desenvolvidos por cientistas usando compostos químicos inovadores, as opções de brilho, fotoestabilidade e cores dos corantes CF™ é comparável à qualidade de outros corantes comerciais devido ao design racional de corantes.

Oferecemos anticorpos secundários marcados com corante CF™ altamente validados em diversas opções específicas para determinadas espécies.




Faça login para continuar

Para continuar lendo, faça login ou crie uma conta.

Ainda não tem uma conta?